Serviços — IQualiS Biotecnologia
análise microbiológica do solo, indicadores de qualidade do solo, biomassa microbiana, atividade enzimática do solo, sustentabilidade, laboratório de análise do solo
14495
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-14495,page-parent,bridge-core-2.8.5,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-26.9,qode-theme-bridge,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive
 

Serviços

ANÁLISES

Biomassa Microbiana do Solo

 

A Biomassa Microbiana do Solo (BMS) é constituída por bactérias, fungos, protozoários e algas do solo. Esses organismos são altamente sensíveis a qualquer interferência ocorrida no ambiente, o que os torna um dos principais indicadores microbiológicos de qualidade do solo. Portanto, avaliar a BMS é fundamental para obter um diagnóstico antecipado sobre a condição do solo, auxiliando o profissional responsável nas tomadas de decisões sobre as melhores práticas de manejo a serem adotadas. Esse parâmetro é avaliado através da quantificação dos elementos (Carbono, Nitrogênio, Fósforo e/ou Enxofre) na Biomassa desses organismos. As possíveis análises realizadas são:

 

  • Carbono da Biomassa Microbiana (CBM)
  • Nitrogênio da Biomassa Microbiana (NBM)
  • Fósforo da Biomassa Microbiana (PBM)
  • Enxofre da Biomassa Microbiana (SBM)

 

Respiração Microbiana do solo

 

A respiração microbiana quantifica o CO2 liberado pelos microrganismos heterotróficos ativos no solo. A evolução do CO2 do solo varia de acordo com a atividade realizada pelos microrganismos e pode ser influenciada por diversos fatores. A partir da relação respiração e CBM, obtemos o quociente metabólico (qCO2) – onde valores mais elevados representam menor eficiência metabólica, sendo necessária uma respiração mais intensa para a manutenção da biomassa microbiana decorrente de uma condição estressante à comunidade microbiana.

 

Atividade da β-Glicosidade

 

É uma atividade indicadora do ciclo do carbono. A enzima é limitante na degradação da celulose, liberando glicose, que é uma importante fonte de energia para os microrganismos no solo. Ela reflete a atividade biológica e a capacidade do solo em estabilizar a matéria orgânica, podendo ser usado para detectar efeitos de diferentes formas de uso do solo.

 

Atividade da Fosfatase

 

Promove a liberação do fósforo (P) na solução do solo que é utilizado pelas plantas. A produção dessa enzima no solo é predominantemente microbiana e constitui excelente indicador da fertilidade do solo, uma vez que apresenta associação com sinais de deficiência de P.

 

Atividade da Urease

 

É uma enzima responsável pela transformação da uréia presente no solo em amônia (NH3) e gás carbônico (CO2). A ureia pode estar presente no solo pela adubação nitrogenada e excretos de animais. O Monitoramento da atividade dessa enzima nos solos é indispensável, pois apresenta elevada correlação com a regulação do fornecimento de N para plantas.

 

Atividade da Arilsulfatase

São enzimas responsáveis por parte da ciclagem do enxofre (S) nos solos. Atua na mineralização do S-orgânico para SO42-, que é a forma absorvida pelas plantas, e apresentam correlação elevada com biomassa microbiana e taxa de imobilização do S. São secretadas por bactérias como resposta à limitação de S e considerando a importância desse elemento na nutrição vegetal, a avaliação da atividade dessa enzima infere sobre a disponibilidade desse nutriente no solo.

 

Diacetato de Fluoresceína (FDA)

 

A transformação do Diacetato de Fluoresceína indica o potencial enzimático do solo, pois não expressa a atividade de uma enzima específica, mas de um grupo de enzimas que são capazes de transformar-ló. Neste grupo estão as lipases, esterases e proteases do solo.

 

Quantificação de microrganismos

 

Essa análise quantifica os microrganismos que estão presentes no solo ou produto. A avaliação da quantificação pode ser realizada para bactérias, fungos, e actinobactérias totais e grupos funcionais, como as bactérias fixadoras de nitrogênio, solubilizadores de fosfato, amonificadores, celulolíticos, entres outros.

CONHEÇA NOSSOS MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS